Untitled Document
 
 
E-mail: adautodias@msn.com
 
 
 
24 de Novembro de 2016 às 08h56min
Mãe descobre microcefalia em bebê depois de um mês de vida, no Ceará
Caso fez parte de estudo inédito feito no Ceará e Pernambuco. Cientistas detectam manifestação da microcefalia após o nascimento.

G1 CE

Arthur nasceu sem nenhum sintoma aparente de microcefalia (Foto: Michel Victor/ G1 CE)

Arthur nasceu sem nenhum sintoma aparente de microcefalia (Foto: Michel Victor/ G1 CE)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O filho de Cristiane Gaspar tem apenas um ano de idade e nasceu aparentemente saudável, após a mãe fazer todos os exames do pré-natal sem diagnosticar problemas. Foi quando completou um mês de vida que a jovem, influenciada por  notícias sobre microcefalia, filho atentou que o menino, apesar de não apresentar nenhum sintoma neurológico, tinha o crânio com circunferência de 33 cm, condição característica dos recém-nascidos com microcefalia quando surgiram os primeiros casos da doença relacionada ao vírus da zika. Hoje, um bebê é considerado portador de microcefalia quando tem circunferência igual ou inferior a 32 cm.

“O meu filho nasceu com 33 cm [de circunferência do cérebro], mas na maternidade onde ele nasceu os exames foram  todos normais, a minha alta foi normal. Antes do parto, o pré-natal foi tranquilo, minhas ultrassonografias todas foram normais. A descoberta [da doença] se deu a partir do início do surto, quando vi no noticiário da  TV e fiquei com aquela coisa na cabeça”, conta a mãe, universitária de 22 anos.

A mãe resolveu investigar e levou o bebê ao pediatra. O menino estava com um mês de vida. “O pediatra passou um ultrassom da cabeça, pois como a moleira ainda estava aberta a visualização seria melhor. O exame apresentou pequenas calcificações no cérebro, mas a microcefalia não foi diagnosticada”, conta.

O exame seguinte foi uma tomografia e mais uma vez, nenhum diagnóstico da doença. O pediatra pediu, então, que fosse feita uma ressonância magnética. “Neste exame, foi confirmado o diagnóstico de microcefalia. O laudo indicou que ele tinha pequenas calcificações e corpo caloso do cérebro reduzido”, explica a mãe.

O corpo caloso é uma estrutura cerebral que faz a conexão entre os dois hemisférios (direito e esquerdo) do cérebro dos seres humanos.  De acordo com os especialistas, lesões no corpo caloso podem provocar diversos problemas como dificuldades na orientação de direção, problemas relacionados à linguagem, dificuldades em reconhecimento de objetos visuais e dificuldades de diferenciação dos dois lados do corpo.

A descoberta da doença posterior ao nascimento fez do menino um dos casos analisados em estudo publicado pelos Centros de Controle e Prevenção das Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês). O descreve 13 casos - onde em Pernambuco e dois no Ceará - de bebês cujas mães tiveram zika durante a gravidez. No Ceará, o estudo foi feito no hospital infantil Albert Sabin.

Os pesquisadores já sabiam que o zika podia causar problemas no desenvolvimento cerebral mesmo quando não havia sinais externos de microcefalia. Mas o novo trabalho é o primeiro a mostrar o desenvolvimento dos sintomas após o nascimento.

Cristiane não lembra de ter tido zika durante a gestação. "Cerca de 80% das pessoas que são infectadas pelo vírus zika não desenvolvem os sintomas da doença. Isso também ocorre em grávidas, que têm filhos aparentemente saudáveis, mas que só descobre a patologia ao acompanhar a redução do tamanho da cabeça dos filhos", explica o neurogeneticista do  Albert Sabin, André Luiz Santos Pessoa, um dos coordenadores do estudo no Ceará, com a coautoria da médica Erlane Marques Ribeiro, do mesmo hospital.

Arthur completou um ano em novembro (Foto: Michel Victor/ G1 CE)Arthur completou um ano em novembro
(Foto: Michel Victor/ G1 CE)

Os especialistas identificaram 20 casos de bebês que nasceram aparentemente saudáveis no Ceará. O estudo apresenta o resultado  do acompanhamento de dois deles.  “Com o passar de poucos meses, por causa de malformações cerebrais, os bebês desenvolveram a microcefalia, crescimento da cabeça abaixo da média. Trata-se da microcefalia congênita”, explica o médico.

“Destes, 11 desenvolveram microcefalia mais tarde", afirmaram os cientistas. "Este crescimento anormalmente lento da cabeça foi acompanhado por sérias complicações neurológicas”. A pesquisa mostra, ainda, que todos os bebês  acompanhados tinham problemas de motricidade similares aos de uma paralisia cerebral.  Como os bebês foram observados durante o primeiro ano de vida, as deficiências cognitivas não puderam ser observadas.

O neurogeneticista diz, porém, que a exposição ao vírus zika não é determinante para que os bebês desenvolvam a doença e o estudo não indica a incidência com que a microcefalia pode se desenvolver depois do nascimento.

Diante do resultado das pesquisas, os especialistas alertam para que os obstetras realizem tomografias cerebrais nos fetos expostos ao  vírus zika durante a gravidez e que alertem os pais para que façam o acompanhamento médico do desenvolvimento do bebê nos meses posteriores  ao nascimento. Os autores do trabalho são de 17 instituições brasileiras e americanas
.


 
Notícias Recentes
80% não sabem que têm glaucoma e podem ficar cegos, alerta oftalmologista
Ministério da Saúde decreta fim de surto de febre amarela
Iagro faz exames para confirmar se botulismo provocou morte de mil bois
Barbosinha entrega emenda parlamentar no valor de vinte mil em medicamentos para a Maternidade de Glória de Dourados
Maternidade de Glória de Dourados recebe medicamentos de emenda parlamentar da Deputada Graziele Machado
Fies terá 100 mil vagas a juro zero a alunos de baixa renda no próximo ano
   
 

2006 - 2012 © - Glória News - Todos os direitos reservados.
As notícias veiculadas nos blogs, colunas e artigos são de inteira responsabilidade dos autores.
Desenvolvido por: Ribero Design - tecnologia&internet