Untitled Document
 
 
E-mail: adautodias@msn.com
 
 
 
25 de Outubro de 2016 às 09h12min
Chikungunya vai ser um problema maior em 2017, avalia médico
Quanto à chikungunya, no próximo verão, deverá vir a ser um problema tão ou mais grave, em abordagens diferentes, do que foram a dengue e a zika no verão passado.
Por: Fiocruz com Douradosagora

O infectologista Rivaldo Venâncio da Cunha, da Fiocruz

Se no último verão, o país esteve às voltas com o enfrentamento da zika e da dengue, o verão de 2017 deverá trazer mais um desafio aos gestores, em nível municipal, estadual e nacional: a chicungunya. Nessa análise realizada para o blog do CEE-Fiocruz, o diretor da Fiocruz Mato Grosso do Sul, o médico infectologista Rivaldo Venâncio da Cunha, afirma que a doença atinge hoje todo o país e vem se alastrando de forma vertiginosa: dos 650 municípios com casos notificados em todo o ano de 2015, passou-se a 2.250, só até setembro de 2016, segundo dados do Ministério da Saúde.

"Temos que nos preparar para enfrentar nesse próximo verão um problema ainda maior do que imaginávamos", diz Rivaldo. E de nada adiantam soluções que se requerem imediatas, como a pulverização de inseticidas em áreas urbanas, que só trazem danos à saúde e ao ambiente, como afirma. "Não tem milagre", resume Rivaldo. "Estamos lidando com um passivo ambiental acumulado de 500 anos".

Leia a íntegra da análise abaixo.

Por Rivaldo Venâncio da Cunha

Do início do ano para cá, o cenário epidemiológico do país mostrou que estávamos, infelizmente, certos, ao consideramos, naquele momento, que tínhamos um problema sério, no que diz respeito a dengue, zika e chicungunya. É tão ou mais sério do que imaginávamos. Em relação à dengue temos notificados no Brasil cerca de 1,5 milhão de casos. É bem verdade que muitos desses casos notificados como dengue sejam provavelmente zika, chikungunya ou alguma outra doença circulando Brasil afora. Mas, de qualquer forma, a dengue com certeza continua ocorrendo em larga escala no Brasil.

Além disso, temos o constante e persistente crescimento da ameaça da zika, que se mostrou um problema complexo e nos indicou que também estávamos na linha de raciocínio correta, ao considerarmos não apenas a microcefalia, mas a zika congênita no espectro de consequências da infecção pelo vírus nas gestantes. Já no começo do ano chamávamos a atenção firmemente para a importância de se tratar a infecção do vírus zika, que atinge a mãe e a criança, como questão congênita, tendo-se na microcefalia, provavelmente, como uma das mais graves manifestações, mas não a mais frequente. Os estudos desenvolvidos ao longo desses meses têm reforçado essa observação, mostrando-nos uma quantidade grande de crianças nascendo com cérebro de tamanho normal, mas apresentando outras alterações decorrentes da infecção durante a gestação.

Quanto à chikungunya, no próximo verão, deverá vir a ser um problema tão ou mais grave, em abordagens diferentes, do que foram a dengue e a zika no verão passado. Já foram notificados em 2016 cerca de 215 mil casos de chicungunya, no Brasil. Se considerarmos que existe pelo menos um caso não notificado para cada notificado, estaremos falando de praticamente 500 mil casos. Trata-se de uma doença debilitante que também pode provocar incapacidade temporária nas pessoas acometidas.

Não seria exagero dizer, que, hoje, a chikungunya está atingindo praticamente todo o Brasil. Segundo o Ministério da Saúde, durante o ano de 2015 650 municípios tiveram casos da doença notificados. Em 2016, foram 2.250 municípios, um crescimento gigantesco. Durante todo o no ano de 2015, foram notificados cerca de 38 mil casos de chikungunya Brasil afora. Durante o ano de 2016, até setembro, o número passou a 215 mil, uma escalada vertiginosa da doença. Temos que nos preparar para enfrentar nesse próximo verão um problema ainda maior do que imaginávamos.

Os desafios estão sobretudo em aportar recursos e infraestrutura para as pesquisas em curso, e para outras em formulação, em instituições brasileiras e nas parcerias com instituições do exterior. É essencial para que possamos melhorar nosso conhecimento sobre diversos aspectos, em especial em relação a zika e chikungunya, que ainda são desconhecidos pelos profissionais de saúde. Por exemplo, no que diz respeito aos mecanismos de transmissão do vírus. Comprovadamente, o mosquito Aedes transmite zika, no entanto, temos observações que sugerem outras formas de transmissão do vírus, por exemplo, por via sexual. Essa via de transmissão deve ser, sim, cada vez mais monitorada e avaliada para que se possa ter a dimensão real da magnitude que esses mecanismos de transmissão sexual pode ter no complexo geral da dinâmica de transmissão da doença.

Estamos lidando com três doenças – quatro com a febre amarela – transmitidas por um mesmo mosquito, que tem seus principais focos de procriação relacionados a um passivo ambiental acumulado ao longo de 500 anos, acrescido, nas últimas décadas, de um processo de desenvolvimento que resulta no uso intensivo de garrafas plásticas, pets e outros apetrechos. Não tem milagre.


 
Notícias Recentes
80% não sabem que têm glaucoma e podem ficar cegos, alerta oftalmologista
Ministério da Saúde decreta fim de surto de febre amarela
Iagro faz exames para confirmar se botulismo provocou morte de mil bois
Barbosinha entrega emenda parlamentar no valor de vinte mil em medicamentos para a Maternidade de Glória de Dourados
Maternidade de Glória de Dourados recebe medicamentos de emenda parlamentar da Deputada Graziele Machado
Fies terá 100 mil vagas a juro zero a alunos de baixa renda no próximo ano
   
 

2006 - 2012 © - Glória News - Todos os direitos reservados.
As notícias veiculadas nos blogs, colunas e artigos são de inteira responsabilidade dos autores.
Desenvolvido por: Ribero Design - tecnologia&internet